Pluviométrica por vazão: 46,70m³/s

Vazão do Rio: 79,80m³/s

Vazão do Rio: 79,80m³/s

SAMAE ALERTA SOBRE ESCOAMENTO IRREGULAR DE ÁGUAS PLUVIAIS EM REDES DE ESGOTO RESIDENCIAIS

O escoamento irregular de águas pluviais diretamente nas redes de esgoto residenciais tem sobrecarregado a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Avenida Brasil, especialmente em períodos de chuva intensa. Nos últimos dias, a vazão do sistema mais que dobrou, ocasionando arrasto e perda de lodo ativado, afetando a eficiência do complexo inaugurado em fevereiro de 2022.

O problema ocorre há décadas e é causado por canalizações da água da chuva coletada pelas calhas de telhados e ralos de quintais para a rede de esgoto principalmente das residências de bairros mais antigos e da região central de Mogi Guaçu, construídas em uma época em que não havia fiscalização e normas como as exigidas atualmente para aprovação de projetos de edificação.

Segundo a engenheira química responsável pelos sistemas de tratamento de água e efluentes do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE), Taimara Sínico de Moraes, esta semana a vazão dos módulos aeradores da ETE, que processa e trata 1.490 metros cúbicos de efluentes por hora, atingiu o dobro da capacidade, chegando a 3.000 m³/h devido ao volume de águas pluviais provenientes das redes de esgoto domiciliares.

 

O secretário autárquico de Serviços e Tratamentos do SAMAE, Antonio Carlos Bento Júnior, explica que, além de causar arraste e perda do lodo ativado, obrigando a reposição do produto, com consequente aumento de custos devido, também, aos gastos com energia porque a sobrecarga implica em bombear três vezes mais que o normal.

 

Segundo ele, toda vez que chove forte há perda e necessidade de reposição de lodo ativado porque metade do volume tratado é de efluentes e metade, água de chuva. Em face disso, a eficiência do tratamento sanitário diminui. Outra consequência é a saturação dos emissários de esgoto, que foram projetados para receber efluentes e não águas pluviais.

 

Em bairros como a Vila Maria, zona Sul, Jardim Hedy, zona Leste, e Jardim Ypê Pinheiro, na zona Norte, a pressão nos dias de chuva intensa foi tanta, que tampas de poços de visita (PV) foram arrancadas e equipes de manutenção do SAMAE tiveram de ser mobilizadas para efetuar a reposição a fim de evitar acidentes durante o mau tempo.

 

AÇÕES

 

O superintendente do SAMAE, Mário Antonio Zaia, enfatiza que o problema é grave e para resolver serão adotadas várias medidas. A primeira delas é difundir a informação no sentido de conscientizar os moradores de residências com ligações de águas pluviais na rede de esgoto para que eliminem a irregularidade. Num segundo momento, serão enviadas correspondências e divulgados informes com instruções através de rádios, jornais e outros meios de comunicação, incluindo os sites oficiais da autarquia e da Prefeitura e seus canais em redes sociais.

O terceiro passo, a partir de junho, será intensificar a fiscalização. Uma vez constatada a irregularidade, o responsável pelo imóvel será notificado e terá 30 dias para resolver o problema, sob pena de ser multado.

 

Compartilhe esta postagem!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Últimas Postagens...

SAMAE INFORMA!

Fevereiro Roxo e Laranja

COMUNICADO!!!

MANUTENÇÃO X PRAZO

Rua Paula Bueno, 240 Centro – Mogi Guaçu/SP 
Horário de atendimento: Segunda à Sexta – 07h30 às 16h

Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto de Mogi Guaçu
Site Desenvolvido por Agência Exoos Visitar